Carta a Meu Filho

Meu Filho

Lembro com clareza o dia que você nasceu, peguei sua mãozinha e ela cabia todinha dentro da minha, sobrava espaço, poderia dizer que caberiam várias mãozinhas ali juntas. E por um bom tempo foi assim, tua mão em minha mão, sempre sobrando espaço, sempre seguro por mim, te acompanhei em cada passo.Você foi crescendo, aprendeu a caminhar, se deu assim, nossa primeira ruptura, você precisava por aí sozinho andar.Mas volta e meia ainda era assim, tua mão em minha mão, dependias de mim.Os anos continuaram passando, nossas mãos aos poucos foram se soltando. Posso até dizer que éramos mãe e filho meio diferentes, sempre avessos aquelas convenções que o mundo ensina pra gente.Nos permitimos alguns vai a mer…. de lado a lado, e até coisinhas mais pesadas, não era falta de respeito, acredito que era nosso jeito, na verdade sempre fomos muito amigos, e entre amigos até palavrões são permitidos.Mas ainda assim, volta e meia tudo voltava ao inicio, tua mão em minha mão, se estavas meio perdido ou não encontravas teu chão.Teve a primeira namorada, e eu que sempre pensei que de ciúmes seria tomada, achei aquilo tudo tão bonito e nem precisa te dizer, por ela também fiquei apaixonada.Mas mesmo assim, já não era somente minha mão em tua mão, e se deu assim mais uma ruptura, era hora de te dividir com alguém, não exisitia problema, nem triste isso era, porque na verdade só o que quero é alguém que te queira bem.Tivemos brigas é verdade, momentos em que tua mão em minha mão não ficaria, que nossas idéias em tudo discordavam, que não conseguíamos encontrar um meio termo, quando simplesmente não nos acertávamos.Mas ao lembrar delas agora, não me parecem ter uma grande proporção em nossa história, posso dizer que a maioria apaguei de minha memória, e as que por aqui ainda ficaram, só servem para lembrar que bons amigos, não precisam em tudo concordar.Sei que às vezes até tentávamos permanecer brabos por um bom tempo, mas se bem me lembro, nosso tempo não conseguia passar de um dia, e lá estávamos nós, tua mão em minha mão, minha mão em tua mão.E continuaste crescendo, enquanto aprendias a dirigir, não posso negar, tive medo, naquele momento, tua mão na minha mão de nada adiantaria, estavas tomando o rumo de tua vida e minha mão aos poucos soltaria.Enfim, és um homem meu filho, mas volta e meia lá vem os medos da vida que assombram a todos nós, e volta e meia, tua mão em minha mão o consolo ainda encontra.Mas hoje filho querido, o dia que aguardas a resposta tão esperada por ti, não tive eu a coragem que necessito para ficar aí contigo.Preferi sair assim, de fininho, meio escondido, e te deixar com teu pai, tão mais forte que eu nessas horas decisivas.Se der certo (e com certeza dará) ele contigo vai comemorar, e se…(isso não acontecerá) eu sei que melhor que eu ele vai te consolar.Porque eu filho querido,

Carta para meu filho

seja o resultado que for, antes de mais nada precisarei ser consolada.Porque sei que em breve estarás partindo e tua mão em minha mão, menos vezes ficará.Sei que as pessoas pensam que és muito dependente, que precisas de mim pra tudo, e que sou eu que incentivo isso, pra te ter sempre a meu lado, pra que fique sempre assim, tua mão em minha mão.Mas eu não concordo com isso, e o que as pessoas não entendem, e eu já desisiti de explicar, é que não parte o filho somente.Parte meu grande amigo, um grande companheiro, amigo de brincadeiras, de falar várias besteiras, de rir aquele riso solto,das brincadeiras de mau gosto. E como explicar isso, se ninguém entenderá, que nada vai me fazer mais falta, do que aqueles momentos que minha mão, tua mão não encontrará. Mas nada disso importa, eu sei que vais conseguir, terás muito sucesso e teu caminho vai seguir, e se em algum momento tu sozinho te sentir, é só chamar a mim, que em minha mão tua mão vou segurar.E o mais importante de tudo isso, onde eu acredito realmente ter acertado, é que há de chegar o dia, em que eu já muito velha, vou também precisar de ti, e será nesse momento que eu vou encontrar alento, pois eu tenho certeza que em tua mão, minha mão repousará.